Não categorizado

HotéisRIO e Abav-RJ realizam campanha sobre os riscos na aquisição de pacotes por preços abaixo do mercado

Os recentes problemas enfrentados pelas plataformas online de reservas, que causaram transtornos e prejuízos aos hotéis e aos viajantes, acenderam o alerta no setor de turismo. Para advertir os consumidores sobre os riscos de adquirir pacotes a preços abaixo do mercado, HotéisRIO (Sindicato dos Meios de Hospedagem da Cidade do Rio de Janeiro) e Abav-RJ (Associação Brasileira de Agências de Viagens do Rio de Janeiro) uniram forças na criação de uma campanha publicitária educativa, que será divulgada em canais digitais, para atingir o público final em momento de decisão de compra.

A campanha, assinada pela agência de publicidade Nave MKT, usa o mote “Não pague caro por querer pagar mais barato”. Por meio de peças com um toque de humor, a ação convida o consumidor a refletir antes de adquirir produtos com preços excessivamente atraentes, pois muitas vezes estes podem não ser honrados pelas empresas que os vendeu, deixando o turista sem o serviço contratado.

Presidente do HotéisRIO e conselheiro da ABIH-RJ, Alfredo Lopes deixa um importante alerta ao viajante: “Temos visto uma sucessão de problemas com OTAS que comercializam pacotes a preços abaixo do mercado e a realidade é que este modelo de negócio não se sustenta, causando grande transtorno, o que resulta na insegurança do viajante, com impacto em todo o mercado. Recomendamos que os turistas se comuniquem com seu hotel de preferência em seus canais próprios ou consultem os agentes de viagem de confiança para não cair em armadilhas que podem destruir o sonho de viagem de toda a família”.

Luiz Strauss, presidente da Abav-RJ, reforça a importância da conscientização do consumidor e pleiteia aos órgãos competentes a normatização do modelo. “Tal discrepância nas tarifas é causada por um modelo de negócios frágil, que representa a aquisição de um ‘direito de viagem futura’. Porém, os serviços de viagens e turismo são extremamente suscetíveis a efeitos externos como câmbio, tributação, combustível de aviação e a própria oferta e procura, o que pode inviabilizar a sustentação das condições nas quais foram comercializadas anteriormente. O cliente precisa ter melhor entendimento sobre o que realmente são as tais ‘viagens flexíveis’ e os órgãos responsáveis, como o MTur, a ANAC e mesmo a Senacon/MJ precisam buscar a normatização do modelo. Daí a necessidade urgente de regulação a respeito!, acrescentando que a entidade também não vê com bons olhos o comércio de milhas, pois acaba frustrando o motivo para o qual os programas foram criados.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo