ABIH-RJ – Associação de Hotéis do Rio de Janeiro
Notícias

Porto de Itaguaí investirá R$ 3 bilhões na construção de novo terminal de minério de ferro

Porto de Itaguaí vai ganhar mais um terminal para exportação de granel sólido mineral, segundo a Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ). Para a implantação do empreendimento será utilizada uma área de 312.514m², na qual serão investidos R$ 3 bilhões para aumentar a capacidade de escoamento de minério de ferro em 30 milhões de toneladas por ano.

Equipes técnicas do Ministério da Infraestrutura (MInfra) e da Empresa de Planejamento e Logística (EPL) visitaram o Porto de Itaguaí, nos dias 11 e 12/05, para avaliar as condições locais para o futuro arrendamento da ‘área do meio’ ou ITG-02, com término previsto neste 1° semestre.

Segundo o gerente de Estruturação de Projetos da EPLFernando de Castilho, a avaliação é importante para verificar a dinâmica do mercado da região e a capacidade instalada para armazenagem e movimentação de cargas no porto.

Para a Secretaria Nacional de Portos e Transportes Aquaviários (SNPTA/MInfra), o projeto é prioritário, como adiantou o coordenador-geral de Modelagem de Arrendamentos Portuários da SNPTAAlessandro Marques.

“Existe uma expectativa de que, ainda no 1° semestre de 2022, o Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos qualificará o projeto ITG-02 como prioridade nacional”, disse Marques, que acredita que o Edital de Licitação deve ser lançado no último bimestre deste ano, com realização do leilão no 1° trimestre de 2023, com o início das operações previsto para 2028.

O diretor-presidente da Docas do Rio, Francisco Antonio de Magalhães Laranjeira, demonstrou otimismo quanto ao sucesso do novo terminal.

 “o novo terminal será mais uma opção para o escoamento do minério da área de influência do Porto de Itaguaí, aumentando a capacidade e a atratividade do complexo portuário, e vai ampliar a competitividade brasileira no comércio exterior, gerar empregos para a região e melhorar a situação econômica, com mais receitas tanto para a companhia como para o Estado do Rio de Janeiro,” declarou Magalhães Laranjeira.

Já o coordenado-geral de Modelagem de Arrendamentos Portuários, Alessandro Marques, enfatizou que o Brasil é o 2º maior produtor de minério de ferro do mundo, sendo que o produto ocupa o segundo lugar em exportação pelo país, depois do complexo da soja.” Segundo Marques, “considerando a importância das exportações de minério de ferro para o comércio exterior brasileiro, que devem continuar performando bons números nas próximas décadas, e considerando a infraestrutura de acesso, tanto ferroviário quanto aquaviário, e a disponibilidade de área do Porto de Itaguaí, o projeto do ITG-02 constitui grande relevância para todo o país”.

Diretor de Negócios e Sustentabilidade da Docas do Rio, Jean Paulo Castro e Silva, por sua vez, afirmou que o “projeto de um novo grande terminal de minério em Itaguaí demonstra a importância desse porto para o escoamento da produção do Quadrilátero Ferrífero e o consolidará como o principal complexo portuário do país na exportação de uma das mais importantes ‘commodities’ do nosso comércio exterior”.

Wagner Victer, que foi conselheiro de Docas por mais de 8 anos e também secretário de Estado da área Portuária, discorda dos benefícios a serem trazidos para o Estado do Rio de Janeiro, com a construção do novo terminal em Itaguaí. Para ele, a medida será uma grande erro econômico e ambiental.

“Acho uma péssima notícia para o Estado. Isso não é para comemorar, é para chorar! Essas atividades são extremamente poluidoras e já temos alguns terminais de minério, na Baía de Sepetiba, com licenças ambientais vencidas, como a da Vale, na Ilha da Madeira. Há operações de minério também para Terniun (que pelo menos transforma em aço), CSN e Porto do Sudeste. Ser corredor de exportação de commodities produzidas em outros estados é um retrocesso, uma vez que não gera empregos, não agrega nada à economia Fluminense. Além de não pagar impostos, sendo que as empresas ainda colocam o endereço fiscal fora do estado onde está a mina, não impactando na transferência de impostos federais e no PIB do Rio. Ficamos basicamente com a poeira e a poluição, além das míseras contribuições de Royalties da mineração. É errado do ponto de vista do Estado. Observem, se o Porto de Santos, em São Paulo, aceitaria essa carga. Nossos portos de vocação para indústrias e serviços, como Itaguaí e Açu, se tornam meros corredores para outros estados. Isso, sim, impacta o meio ambiente marinho daquela bela Baía de Sepetiba,” disse victer

Fonte: Diario do Rio

Newsletter | Receba conteúdos por e-mail com exclusividade

* indicates required

Notícias relacionadas

Três em cada dez vagas criadas no mês de junho foram no Turismo

admin

55º encontro do 500Clube do Rio de Janeiro em Vassouras

admin

Vassouras vai realizar Fórum do Desenvolvimento Econômico do Vale do Café

admin

Leave a Comment

ABIH-RJ - Associação de Hotéis do Rio de Janeiro Deseja receber notificações com as últimas notícias e atualizações?
Dismiss
Allow Notifications