MTur apresenta a municípios a importância de ser Destino Turístico Inteligente

O Ministério do Turismo (MTur) está empenhado em fazer com que os destinos turísticos brasileiros sejam referência em inovação, sustentabilidade, governança e tecnologia. Em parceria com Sebrae Nacional, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e GKS Inteligência Territorial, a Pasta tem realizado palestras sobre a Estratégia Nacional de Destinos Turísticos Inteligentes (DTI), mostrando a importância e os benefícios da ação para incrementar o turismo local.

Nesta semana, a Coordenadora de Inovação e Apoio à Transformação de Destinos Turísticos do MTur, Bárbara Blaudt se reuniu com gestores municipais, empresários, representantes do setor turístico e da comunidade interessadas das cidades de São Luís (MA) e Pirenópolis (GO) para apresentar a Estratégia Nacional DTI Brasil e integrar ações com os locais.

Os encontros com essas cidades fazem parte do Programa Turismo Futuro Brasil, que está alinhado à Estratégia Nacional de Destinos Turísticos Inteligentes (DTI) e com outras inciativas nacionais e internacionais e é realizado pelo Sebrae Nacional, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e GKS Inteligência Territorial. O apoio institucional do MTur faz parte da ação para auxiliar os destinos a estruturar as bases e iniciar sua jornada rumo a uma futura transformação em DTI.

Os municípios selecionados pelo Programa Turismo Futuro Brasil são: Belém/PA, Belo Horizonte/MG, Bombinhas/SC), Bonito/MS, Curitiba/PR, Ilhabela/SP, Novo Airão/AM, Penedo/AL, Pirenópolis/GO, Recife/PE, São Luís/MA e Paraty /RJ.

DTI – Destinos Turísticos Inteligentes são uma tendência crescente na indústria do turismo. É uma estratégia desenvolvida na Espanha que ajuda as cidades a darem maior visibilidade aos atrativos turísticos, com uma gestão mais eficiente e baseada em informações de qualidade e que garantem acessibilidade, melhor uso de recursos, melhoria da sustentabilidade, entre outros, contando ainda com a implantação de tecnologias que tornam os destinos mais atrativos e competitivos. No Brasil, a metodologia foi adaptada e implantada pelo Ministério do Turismo em parceria com o Instituto Ciudades del Futuro.

No país, o DTI é desenvolvido tendo como foco nove pilares: Governança; Inovação; Tecnologia; Sustentabilidade; Acessibilidade; Promoção e Marketing; Segurança; Mobilidade e Transporte e Criatividade. As cidades que se dispõem a implantar as diretrizes para tornar os seus destinos mais atrativos, adquirem o selo DTI após 80% dos requisitos cumpridos pelo plano de transformação.

A Estratégia Nacional DTI Brasil já está em sua segunda edição, fazendo parte dela atualmente as cidades: Foz do Iguaçu/PR, Goiânia/GO, Ponta Grossa/PR, Santos/SP, Joinville/SC, Vila Velha/ES, Fortaleza/CE, São Luís/MA, Gramado/RS e Bonito/MS).

Já na primeira edição, que foi um projeto-piloto, participaram as cidades: Brasília/DF e Campo Grande/MT (Centro-Oeste): Recife/PE e Salvador/BA (Nordeste); Rio de Janeiro/RJ e Angra dos Reis/RJ (Sudeste); Florianópolis/SC e Curitiba/PR (Sul); Rio Branco/AC e Palmas/TO (Norte). Belo Horizonte/MG também trabalha o projeto por conta própria, tendo realizado o seu diagnóstico e seu plano de transformação sem contar com a consultoria contratada pelo MTur, mas recebendo total apoio técnico da pasta. Todos os destinos da primeira edição receberam certificados de “DTI em Transformação”.

Quer saber mais sobre DTI? CLIQUE AQUI e confira a matéria.

Créditos: Ministerio do Turismo

Sair da versão mobile